sexta-feira, janeiro 21, 2022

E-Commerce – Vender na internet pode não ser tão simples

08/11 – Carla Lidiane Müller para Notícias Contábeis do Contabilidade na TV*
Atualmente efetuar compras em sites é muito comum para a maioria das pessoas. Essas compras não presenciais feitas por meio da internet são popularmente conhecidas pelo termo E-Commerce, e muitas empresas são especializadas nesse tipo de segmento.
Todos os empresários estão de olho no sistema de venda por E-Commerce pois ele vem se tornando um dos melhores sistemas de logística do varejo. Realmente, o E-Commerce é muito vantajoso, mas as empresas que querem aderir a ele precisam elaborar um projeto, e dar a ele a devida importância, principalmente em termos de qualificação profissional para quem for emitir as notas e gerir os impostos sobre essas vendas.
É muito importante nas vendas online, principalmente o consumidor final conhecer os impostos aplicados e a legislação para o comércio eletrônico. Um comércio eletrônico tem tributação um pouco diferente de um comércio presencial. É muito comum que um comércio eletrônico venda para pessoas físicas ou jurídicas, contribuintes ou não de ICMS, até aí nada de novo.
Mas esses comércios têm a experiência de ter mais vendas interestaduais que uma loja física, e em termo de ICMS é aí que começa a diferenciação. A alíquota de ICMS a ser aplicada será conforme a relação de estados de origem e destino, então terá mais vendas com alíquotas interestaduais.
Sem muita diferenciação nas demais questões, essas empresas conforme o caso tem de recolher o ICMS ST, e o PIS e COFINS sobre o faturamento, e o IRPJ e a CSLL. E em caso de a loja virtual ser o próprio fabricante, terá ainda o recolhimento do IPI.
Fora isso entramos na sistemática do Diferencial de alíquotas da EC 87/15 e o FECP. Depois de declarada a inconstitucionalidade do Protoco 21, a Confaz autorizou por meio do convênio 93/2015 que os estados de destino cobrassem parte do ICMS nas vendas de produtos pela internet quando destinados ao consumidor final não contribuinte de ICMS, e também caso o estado de destino adotasse o recolhimento de algum fundo de combate a pobreza, esse valor também deveria ser recolhido pelo comprador.
Como uma loja virtual é um portal disponível para qualquer comprador de qualquer estado, esses aspectos tributários podem gerar uma diferenciação no resultado de uma empresa virtual para uma física. O valor do Difal pode no fim não compensar a economia com outras questões como aluguel e mão de obra por exemplo.
O acesso a produtos e serviços pela internet deixaram as empresas mais dinâmicas, mas a tributação também vem acompanhando esse mercado crescente, e de certa forma aumentando os seus encargos.
*Carla Lidiane Müller – Bacharel em Ciências Contábeis, cursando MBA em Direito Tributário. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como Analista de Negócios e é articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2016.
Carla Lidiane Müller
Bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Direito Tributário, cursando especialização em Contabilidade e Gestão de Tributos. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como Analista de Negócios e é articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2016.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Relacionados

Populares

Plantão ContNews

Tem eBook pra você

eBook para DP: Produtores Rurais

eBook para DP: Produtores Rurais

spot_imgspot_img

CADASTRE-SE NA NEWS

Assine a nossa lista e receba novidades sobre o Contabilidade na TV.

OBRIGADO

POR SE INSCREVER!