quarta-feira, janeiro 26, 2022

Negócios de impacto social precisam de legislação específica, dizem debatedores

Investimentos que buscam mais do que apenas retorno financeiro, com resultados relevantes também nas áreas social ou ambiental, precisam ser estimulados, fortalecidos e ter o ambiente de negócios facilitado, principalmente por inovações legislativas. Este foi o consenso no debate sobre “negócios de impacto social”, em audiência pública da Comissão de Fiscalização e Controle (CTFC), nesta quinta-feira (3).

Criados no Reino Unido no início dos anos 2000, os negócios de impacto social (NIS) chegaram ao Brasil em 2014, mas precisam de estímulos adequados para crescer. Os NIS são encampados por pessoas como Matheus Cardoso, nascido na periferia de São Paulo, que conseguiu se formar em engenharia civil e criou uma empresa chamada Moradigna, para reformar barracos de favelas.

O modelo de negócio do empreendedor buscou parcerias com bancos e lojas de materiais de construção, o que viabilizou contratos com juros mais baixos e condições facilitadas, para que os moradores de baixa renda conseguissem reformar suas casas, sem que ele deixasse de ter lucro. Já foram mais de 500 barracos melhorados em três anos, sem apoio do Estado: uma empresa privada ajudando a resolver um problema social.

— A moçada está interessada em ganhar dinheiro, em empreender, mas quer deixar a sua marca no planeta — resumiu Lucas Maciel, do Ministério da Economia.

Maciel é o coordenador da Estratégia Nacional de Investimentos de Impacto (Enimpacto), uma articulação de órgãos e entidades do governo, do setor privado e da sociedade civil, com o objetivo de promover um ambiente favorável ao desenvolvimento de investimentos e negócios de impacto.

Para a melhoria desse ambiente, os debatedores defenderam uma série de medidas, que vão desde a promoção de eventos para levar o assunto à população, passando por estudos e aferições de resultados dos projetos — o que estimularia o financiamento —, até mudanças na legislação das sociedades empresariais, que reconheçam a existência desse tipo de empresa e suas peculiaridades. Concessão de facilidades tributárias também foram mencionadas, assim como sugeridas inovações que permitam a criação de fundos públicos para investimentos nos NIS.

No Reino Unido, explicou Maciel, os recursos das contas correntes dormentes — de pessoas falecidas que estavam há anos sem movimentação — foram direcionados a um fundo como esse e proporcionaram um boom entre as NIS. Ele avalia que iniciativas semelhantes poderiam surgir no Brasil, assim como a criação de outros fundos de investimento poderia ser capitaneada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

— É importante atrair mais investidores, principalmente privados, para o negócio de impacto, e o BNDES tem um papel importante, pois é articulador — disse Daniela Lima, chefe do Departamento de Gestão Pública de Municípios e Inclusão Produtiva do Banco.

LTDBs e SBs
Segundo João Manuel de Lima Júnior, professor do Centro de Pesquisa em Direito e Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), além da resolução de entraves tributários à criação e à expansão de empresas, são necessárias mudanças na legislação societária brasileira, para permitir a criação de negócios sociais no país. Assuntos para a Reforma Tributária e o Código Comercial, em curso no Parlamento

Nos Estados Unidos, por exemplo, existem as chamadas B-Corporations, com regimes próprios que não distribuem todo o lucro. Parte é reinvestida em negócios de impacto social, com um rígido controle e elaboração de relatórios de impacto das atividades econômicas e aferição de benefícios. De acordo com o professor, esse tipo societário deveria ser incluído no novo Código Comercial brasileiro, cuja revisão está sendo estudada no Senado. As novas empresas de impacto social poderiam ser LTDBs e SBs. Versões beneficentes das já existentes sociedades limitadas (LTDAs) e sociedades anônimas (SAs).

— Hoje a sociedade não pode deixar de distribuir lucro para, por exemplo, pegar dinheiro e investir em uma atividade, por mais benéfica que seja, num ato de liberalidade que não gera lucro e não está ligado ao interesse da empresa — explicou Lima Júnior.

Projeto
Fabio Deboni, do Grupo de Institutos Fundações e Empresas (Gife), frisou o relevante papel do Legislativo no caminho para fortalecer as NIS e pediu a aprovação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 338/2018, do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que cria o Contrato de Impacto Social (CIS), acordo em que uma entidade pública ou privada, com ou sem fins lucrativos, compromete-se a atingir metas de interesse social, mediante o pagamento de contraprestação do poder público.

— O PLS 338/2018 tem um papel chave, regulamentando essa agenda nova e abrindo terreno para crescer esse tipo de modalidade de pagamento por resultado — defendeu.

Entusiasta do assunto, o presidente da CTFC, senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), prometeu dar visibilidade e alcance ao tipo de negócio.

— É um assunto inovador, necessário ser debatido, para dar publicidade a um tema que pode ajudar a transformar nossa realidade — afirmou.

Fonte: Agência Senado

Portal ContNewshttp://www.portalcontnews.com.br
Informações pertinentes ao dia-a-dia dos profissionais contábeis. Notícias contábeis diárias, vídeos de eventos contábeis e conteúdos específicos para o contador!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Relacionados

Populares

Plantão ContNews

Tem eBook pra você

eBook para DP: Produtores Rurais

eBook para DP: Produtores Rurais

spot_imgspot_img

CADASTRE-SE NA NEWS

Assine a nossa lista e receba novidades sobre o Contabilidade na TV.

OBRIGADO

POR SE INSCREVER!