sexta-feira, janeiro 28, 2022

Os efeitos sofridos por conta das metas fiscais em 2017

08/09 – Carla Lidiane Müller para Notícias Contábeis do Contabilidade na TV*
Seja pelo motivo que for a meta fiscal tem causado muita dor de cabeça para as empresas este ano.
O aumento de combustíveis, a reoneração da folha, reformas, repatriação, parcelamentos, tudo isso foram métodos usados pelo fisco para aumentar a arrecadação e bater as metas fiscais do ano.
Na prática, quando estima-se que a meta não seja alcançada é pedida uma revisão da mesma, e caso mesmo assim não se alcance as metas, o reflexo é o corte de despesas, o aumento da carga tributária, e o aumento da dívida pública por conta da emissão de títulos públicos.
O tema em si é polêmico, porque além de todos os pontos negativos anteriormente citados, ainda temos de pensar que o governo não terá dinheiro para fazer investimentos. E o planejamento de investimentos afeta diretamente a vida da população, pois programas sociais, saúde, educação entre outros direitos de acesso serão fortemente prejudicados.
Por conta desses efeitos, tinham propostas para trazer de volta a CPMF, justamente para ajudar a equilibrar essas contas públicas.
A meta fiscal quando não alcançada influencia para o aumento na inflação, sem contar que o país perde credibilidade internacional.
Cito aqui que durante o mês de Agosto o governo já anunciou uma nova meta fiscal com rombo de 159 bilhões para 2017 e 2018.
A meta é algo muito importante, pois ela reflete não só as condições da economia brasileira, mas gera confiança para fazer negócios. A meta fiscal pode até realmente ter de ser reavaliada, desde que visando garantir a disciplina fiscal. Sem isso nenhum esforço fiscal ou mudança de estratégia se tornarão efetivas.
Debater esse tema com a sociedade, e evidenciar as necessidades de ajustes é importante. O governo precisa resolver esse problema de orçamento, mas sem onerar demais a população e as empresas, ou isso impedirá o crescimento do país.
Falar da meta fiscal e da sua revisão faz todos pensarem em diversas coisas como falência, e se essa alteração da meta está correta, ou mesmo se é verdadeira.
Exatamente o que ocorre agora com o governo pelo olhar do povo, principalmente do empresariado é uma incerteza, como é possível ter um rombo tão grande e mesmo assim ter o perdão de dívidas?
O que podemos fazer é esperar que essas medidas surtam efeito, para que não tenhamos mais problemas com o resultado primário, e não se tenham mais tantas mudanças como esse ano.
*Carla Lidiane Müller – Bacharel em Ciências Contábeis, cursando MBA em Direito Tributário. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como Analista de Negócios e é articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2016.
Carla Lidiane Müller
Bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Direito Tributário, cursando especialização em Contabilidade e Gestão de Tributos. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como Analista de Negócios e é articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2016.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Relacionados

Populares

Plantão ContNews

Tem eBook pra você

eBook para DP: Produtores Rurais

eBook para DP: Produtores Rurais

spot_imgspot_img

CADASTRE-SE NA NEWS

Assine a nossa lista e receba novidades sobre o Contabilidade na TV.

OBRIGADO

POR SE INSCREVER!