terça-feira, janeiro 25, 2022

A Bitributação de ICMS no e-commerce

A duplicação de impostos é uma realidade para muitas empresas, e para fugir desse pagamento duplo é preciso uma análise da situação, principalmente na formação do preço de venda. O impacto da bitributação no e-commerce pode inviabilizar o negócio.

Até quem não é da área sabe que pagar impostos não é algo agradável, pagar 2x então menos ainda, por isso a bitributação é algo tão nocivo.

Como é preciso que a empresa esteja em dia com a legislação, o pagamento de tributos acabará acontecendo, porque toda a atividade com finalidade econômica é tributada no país. Por isso, é muito importante entender primeiro as regras de cobrança de impostos no Brasil.

Em se tratando de arrecadação fiscal, a cobrança obedece a Constituição Federal de 1988, que determina o poder e responsabilidade a entes federativos. Basicamente União, estados e municípios, o que quer dizer que cada um desses entes pode cobrar tributos das empresas. Mas eles nunca podem fazer a cobrança em relação a um mesmo fato. Quer entender melhor? Vamos dar um exemplo, quando uma pessoa possui um bem imóvel o proprietário paga o IPTU. Que é um imposto de competência do município. Como cada ente tem a responsabilidade e o poder de cobrar impostos sobre situações diferentes, nem os estados e nem a União podem cobrar tributos sobre a propriedade territorial urbana

Para nos aprofundarmos nas situações do e-commerce vamos abordar a cobrança de impostos relacionados ao ICMS. A bitributação no e-commerce na cobrança do ICMS (Imposto sobre Operações relativas a Circulação de Mercadoras e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação), ocorre na venda dessas mercadorias a outro estado, quando destinada a consumidor final não contribuinte de ICMS. O ICMS é devido em parte ao estado de destino da mercadoria. Mas afinal, porque essa regra existe? O que ocorre é que por conta da Emenda Constitucional 87/2015 se permitiu esse tipo de cobrança. A verdade é que a Emenda Constitucional 87/2015 nasceu porque alguns Estados de grandes regiões do país ficavam com toda a arrecadação do ICMS para si próprios, mesmo a venda sendo destinada a outras regiões. Mas você deve estar se perguntando, o que isso muda de uma venda normal interestadual entre contribuintes? Afinal muitas operações são feitas entre estados e nem por isso separamos o ICMS em todas as operações.

A questão é que essa medida diminui um pouco os efeitos da guerra fiscal dos Estados, pois, os Estados maiores têm políticas de incentivo que atraem mais empresas. Ou seja, com isso o Estado arrecada mais, porque o ICMS é devido na sua origem e não destino. Além disso, quando se tem uma venda a consumidor final, não terá mais continuação da cadeia. A consequência disso é que o estado de destino nunca vai ter nenhum ganho tributário. Na prática, se a mercadoria fosse posteriormente revendida, o estado teria o seu ganho. Se isso não ocorre o estado não ganha nada, e por isso dessa discussão. Ressaltamos que nos casos de venda a contribuinte usuário final, já era pago pelo comprador a diferença de alíquotas. Então é importante saber que o diferencial de alíquota já existia, mas só era aplicado a contribuintes de ICMS, onde o comprador era responsável pelo recolhimento do imposto. Mas na venda a consumidor final não contribuinte é o vendedor o responsável por este recolhimento, salvo se ele for do Simples Nacional, que de momento o pagamento está suspenso por decisão do STF.

O cálculo desse diferencial pode variar dependendo do estado de destino, temos o cálculo chamado “por dentro” e o cálculo simples. Então o e-commerce precisa investir em um bom sistema de geração de documentos fiscais e uma boa consultoria fiscal para não errar no cálculo.

Além disso, como forma de regulamentar a nova sistemática instituída pela Emenda Constitucional, o Confaz editou o Convênio ICMS n° 93/2015. Esse convênio trouxe mais alguns procedimentos atinentes a esse recolhimento, inclusive tratou do FCP. Ou seja, não é só a diferença de alíquota que tem de ser recolhida ao estado de destino, mas também o Fundo de Combate à Pobreza quando existir.

Ao passo que no diferencial de alíquotas, você recolhe a diferença entre a alíquota interestadual e a interna do destino, o FCP é um adicional ao ICMS. Isso quer dizer que a depender do estado de destino a empresa terá um adicional ao ICMS de no máximo 2%. O FCP foi criado para possibilitar o investimento em programas públicos voltados a nutrição, habitação, educação e saúde. Mas lembre-se existe uma lista de produtos cobertos pelo FCP, não são todos os itens. Aliás, essa cobrança dependerá da legislação de cada estado.

O Convênio ICMS n° 93/2015 inclusive foi quem regulou sobre o cálculo onde é usada a seguinte fórmula:

ICMS origem = BC x ALQ inter

ICMS destino = [BC x ALQ intra] – ICMS Origem

Encontrar o valor a recolher por meio dessa formula pode parecer difícil, mas vamos exemplificar a situação.

Venda de mercadoria interestadual, em estado que aplica o cálculo simples onde o valor da mercadoria será de 1.000,00 e as alíquotas serão interestadual = 12% e interna no estado de destino = 18%.

1.000,00 = 1.000,00×0,12 = 120,00

[1000,00 x 0,18] – 120,00

180,00 – 120,00 = 60,00

O diferencial de alíquota será de R$ 60,00, neste caso, pois, apenas calculamos a diferença entre a alíquota interna e a interestadual. Para o caso de o estado de destino ter estipulado o cálculo “por dentro” a regra será diferente.

Carla Lidiane Müller
Bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Direito Tributário, cursando especialização em Contabilidade e Gestão de Tributos. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como Analista de Negócios e é articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2016.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Relacionados

Populares

Plantão ContNews

Tem eBook pra você

eBook para DP: Produtores Rurais

eBook para DP: Produtores Rurais

spot_imgspot_img

CADASTRE-SE NA NEWS

Assine a nossa lista e receba novidades sobre o Contabilidade na TV.

OBRIGADO

POR SE INSCREVER!